Patas na Rede

sexta-feira, outubro 20, 2006

Série Animais em Extinção: Tartarugas Marinhas

Série aimais em extinção: Tartarugas marinhas

As tartarugas marinhas existem há mais de 150 milhões de anos e conseguiram se adaptar a todas as mudanças que ocorreram no planeta desde então. Agora, com toda falta de consciência dos seres humanos, estão sendo ameaçadas. Existem as causas naturais, como a predação dos ovos e das fêmeas, que ficam vulneráveis durante a desova. E a predação de tubarões as ameaça apenas na fase adulta, pois outros animais marinhos não conseguem caçá-las facilmente por causa do casco muito duro. Mas nenhuma ameaça natural é tão perigosa para as tartarugas quanto a dos homens. Afinal, são estes que caçam os ovos, pescam acidentalmente as tartarugas e ate pisam ou atropelam os ovos sem intenção de destruição.

Hoje, existem cinco espécies de tartarugas marinhas no Brasil. Estas são: Tartaruga-Cabeçuda ou mestiça, Tartaruga-de-Pente,Tartaruga-Verde, Tartaruga-Oliva e Tartaruga-de-Couro ou tartaruga-gigante. Destas cinco, as que mais estão correndo risco são: a tartataruga-de-couro, que está criticamente em perigo no Brasil e no mundo, com 34.000 fêmeas em idade reprodutiva; e a tartaruga-de-pente, que está criticamente em perigo internacional e tem também 34.000 fêmeas em idade reprodutiva.

Existem outras duas espécies que não se encontram no Brasil, que são a Tartaruga-Flatback e a Tartaruga-Lora ou Kemps Ridley. Estas se encontram em oceanos na região australiana, região de Nova Guiné, região do Golfo do México e algumas localizações do litoral do oceano Atlântico.

Para ajudar essas espécies de tartarugas marinhas existe o Projeto TAMAR. Esse projeto cuida dos locais de desova aqui no Brasil, tenta conscientizar a população que está perto desses locais e realiza pesquisas. Esse trabalho com a população é essencial para proteger as tartarugas marinhas, pois melhora as condições do habitat natural. O trabalho com as tartarugas também colabora para conservar todo o ecossistema marinho e costeiro onde existem bases do projeto. São 21 bases distribuídas em mais de 1100 km de costa, que contam com a ajuda do IBAMA e também com a ajuda de organizações não governamentais. São mais de 1200 pessoas que ajudam o projeto, sendo que a maioria reside nas comunidades costeiras.

Clique aqui e confira os locais onde existem as bases do Projeto TAMAR que funcionam o ano todo e as bases que apenas funcionam em época de desova. Para quem quiser participar de alguma forma é só entrar no site do Projeto TAMAR e se informar como poderá ajudar.

cabeçuda; tartaruga-verde; taratura-de-pente; oliva; tartaruga-de-couro; filhote de tartaruga; ovos; flatback; tartaruga-lora

Labrador Retriever

Série Raças: Labrador

Mais uma das raças favoritas dos paulistanos, o Retriever do Labrador, mais conhecido por somente Labrador é sempre lembrado por sua versatilidade e amabilidade.

Sua inteligência e obediência que permitem treiná-lo para serviços assistenciais, como guia para cegos, cão-terapeuta (visita as pessoas que estão internadas em hospitais), cão-assistente para deficientes físicos e auxiliando a polícia a combater o tráfico de drogas como farejador. Além dessas características, o Labrador é um cachorro cheio de energia, muito brincalhão e amigável com todas as idades.

Origem


Há controvérsias em relação à história da raça. Alguns acreditam que a raça provém de uma outra raça de cães originários da própria Terra Nova, uma região fria e inóspita do Canadá. Outros acham que a raça deriva de cães trazidos pelos ingleses ao se estabelecerem no local devido ao potencial pesqueiro. O labrador tinha como função inicial recolher os peixes que fugiam das redes dos pescadores e, para isso, o cachorro deveria entrar na água.

Daí vem a enorme paixão pela água e as membranas interdigitais nas patas. Porém a região era fria e o cão necessitava ser adaptado para que resistisse bem ao frio. Essa é a razão de seu corpo ser roliço, forte, com uma boa camada adiposa e pelos impermeáveis. A raça talvez até desaparecesse ou fosse absorvida pelos cães terra-novas se não fosse descoberta a sua outra capacidade, a de retriever.

A região da Terra Nova também era muito rica em caça (especialmente aves aquáticas) e os cães Labradores eram freqüentemente treinados para que recuperassem as aves abatidas pelos caçadores. Nesse período, podem ter havido cruzamentos com cães ditos
levantadores e cobradores, para que o instinto de retriever fosse aprimorado. Na época, esses cães eram conhecidos como cães de St. John e possuíam grande reputação de caçadores, o que despertou o interesse de cavalheiros ingleses.

Os cães de St. John foram levados para a Inglaterra por um conde e foi o filho deste que empreendeu a criação sistemática da raça e a mudança de nome para Labrador Retriever.


quinta-feira, outubro 19, 2006

Série Raças: Golden Retriver

Série Raças: Golden Retriever

Eles são bonitos, inteligentes, alegres, adoram água e se dão muito bem com crianças. São também uma ótima companhia e podem ser usados como guia para cegos. Essas são as principais qualidades do Golden Retriever, uma raça que está a cada dia ganhando mais admiradores.

A raça é de origem britânica e costumava ser usado para caça, já que seu olfato é muito aguçado. Hoje é um dos principais concorrentes da modalidade agility. Por meio dessa, o dono pode ter uma maior interação com seu cão, pois o Golden está sempre disposto a agradar e obedecer.

Devido a seu grande porte, muitos pensam que o Golden não é um bom cão para se ter em apartamento. Pelo contrário, essa raça se adapta bem a qualquer espaço e quanto ao tamanho, ele não quebrará nada caso o dono saiba educá-lo, pois se trata de um cão muito obediente e disciplinado.

Os principais cuidados com seu Golden devem ser com o pêlo e com as orelhas. Devido ao fato de o Golden ter o pêlo muito macio e grande formando a "saia", os banhos devem ser muito bem enxagüados e a escovação é necessária. Quanto as orelhas, por serem caídas devem ser limpas quinzenalmente.




quarta-feira, outubro 18, 2006

sagui

Animais em extinção: Sagüi

Um macaco pequeno (um dos menores) e simpático que é facilmente encontrado nas selvas da América do Sul e América Central.

Devido ao seu tamanho, as pessoas pensam que podem tê-lo como animal doméstico, o que incentiva o tráfico, um dos principais motivos de sua extinção.

Seu comportamento e forma corporal lembram os esquilos. Apresentam garras e, ao contrário dos outros macacos, não costumam saltar de uma árvore para outra. Vive em grupos pequenos, sozinhos ou em pares e detestam o frio.

segunda-feira, outubro 16, 2006

Animais em Extinção

Série: Animais em Extinção

Muitos animais estão desaparecendo do nosso planeta por causa do homem que ainda não sabe conviver com a natureza. Cerca de 25% dos animais estão em extinção e muitos já foram extintos. Esse fato ocorre quando restam poucos animais da mesma espécie e quando poucos, só restam os do mesmo sexo, não podendo reproduzir-se. Mas para que uma espécie chegue a esse ponto é sinal de que algo está muito errado. Na maioria dos casos, se não em todos, o principal motivo é a destruição que o homem faz.

Os seres humanos caçam as baleias, destroem os ovos das tartarugas marinhas na beira do mar, destroem ecossistemas inteiros com a tecnologia que está em seu poder e assim muitos outros animais ficam sem seu habitat natural. Mas alguns seres humanos se solidarizam e abraçam causas em proteção aos animais. Tentam protege-los e tira-los das listas de extinção. É o caso do projeto TAMAR, que cuida das tartarugas marinhas, do Projeto Arara Azul entre outros que serão abordados ainda.

Este é o início de uma série sobre animais em extinção. Vamos escrever sobre os animais mais conhecidos que se encontram nessa situação e também sobre os projetos existentes que têm como finalidade ajudar esses animais.

Não para as empresas que testam em animais

Testes em animais

Ainda há muitas empresas que utilizam os animais para testes, onde são expostos a substâncias químicas, geralmente sem anestésico ou fazem a vivissecção, que consiste em dissecá-los vivos para estudos.

Cada vez que você compra um produto que foi testado em animais, doa U$1, 00 para mais pesquisas como esta, e estas não garantem que o produto seja seguro. No caso de medicamento, testes em humanos são a única forma de garantir que o medicamento é seguro.


São feitos testes de irritação dos olhos, irritação dermal, teste de colisão, testes de toxidades alcoólicas e de tabaco, experimento para áreas psicológicas, experimentos armamentistas, pesquisas dentárias e pesquisas cirúrgicas.

Você pode mudar este quadro, parando de utilizar produtos que são testados em animais. No site do PEA existe uma lista de empresas que testam em animais. Divulgue esta lista para as pessoas que conhece, envie e-mail para estas empresas para protestar e exija que eles parem. Algumas empresas que testam em animais: Bombril, Baruel, Natura, Sanol, Nestlé, Colgate, Calvin Klein, Bic, Gessy Lever, Johnson & Johnson, Schering, entre outras.

"A questão não é podem eles raciocinar? Ou então, podem eles falar? Mas, podem eles sofrer?"
Jeremy Bentham (filósofo que questionou a utilização de animais em pesquisas)

domingo, outubro 15, 2006

Saiba mais sobre castração

Saiba mais sobre castração

Algumas pessoas ainda costumam relacionar a castração de animais como algo que vá prejudicar ou maltratar o bicho. Quem pensa assim está muito enganado. A castração, ao contrário do que muitos pensam, não tem unicamente como finalidade prevenir uma ninhada indesejada.

Castrar os animais significa
também proteger os animais de doenças, tais como: câncer de mama, câncer de ovário e útero nas fêmeas e câncer de próstata nos machos. Também diminui-se a chance do número de animais que nascem sem destino certo.

O grande problema que faz com que muitas pessoas deixem de castrar seus bichinhos é o preço da esterilização, que costuma ser um pouco caro. Contudo, algumas ONGS oferecem o serviço a preço popular. Esse preço ainda faz com que os animais sejam vacinados e vermifugados (vacinas de raiva e v8 para cães e vacinas de raiva e tríplice para os gatos). Algumas oferecem ainda, no dia da castração, uma plaquinha contendo o número do Registro Geral do Animal.

Essa castração popular
é patrocinada pela Secretaria Municipal da Saúde. Para castrar seu animal de estimação é necessário ligar e marcar uma data, pois a procura por este tipo de serviço é muito concorrida.

Aqui vai uma dica para quem pretende castrar seu animal. No próximo dia 28 (sábado) ocorrerá a
Campanha da Castração, aberta a público geral, em São Paulo. Para mais informações, ligue (11) 9992-3144.