Patas na Rede

sábado, novembro 11, 2006

Está tudo perdido?

Tudo está perdido?

É hora de encarar a verdade. A nossa sociedade é a que mais castiga os animais com as mais terríveis crueldades.


Vamos tomar a França como exemplo. Lá, as leitoas passam dois anos de suas vidas acorrentadas e sem possibilidade de movimento.

Ainda na França50 milhões de galinhas têm seus bicos cortados a ferro quente, são criadas em gaiolas minúsculas onde não podem nem estender as asas e recebem péssima alimentação de seus criadores.

Patos e gansos engolem todo dia à força, através de um tubo de 40 centímetros colocado dentro de seus esôfagos, 3 kgs de milho que descem queimando. Estes animais vivem sem qualquer movimento e não conseguem nem ficar em pé, de tão obesos.

Muitos dos animais são transportados em condições precárias, empilhados, sem alimento, água e sem cuidado algum. Essas viagens duram dias e é freqüente a morte deles.

No Ocidente, os cientistas estão criando com entusiasmo um novo gênero de animais: sem pêlo, sem plumas, sem gordura, cegos e com quatro coxas.

Agora eu me pergunto, como podemos ser tão egoístas a ponto de proporcionar uma vida aterrorizante aos animais? Nós, seres humanos, temos as razões mais mesquinhas para responder essa pergunta: o estômago e a gula.

"Cruéis quitutes, cruéis guloseimas", dizia Plutarco de Queroneia, filósofo e prosador grego.

Quem somos nós para julgar que os animais são desprezíveis? Enquanto os seres humanos acharem que têm o direito de maltratar um ser somente pelo fato deste ter penas, pêlos ou chifres, a humanidade estará perdida.

sexta-feira, novembro 10, 2006

Feira de Filhotes

Feira de Filhotes: Compareça!

Quando pensamos em adotar um cãozinho ou um gatinho, a primeira coisa que nos vem a nossa mente são os pet-shops.
Nos lembramos dos filhotes de raça expostos nas vitrines e suspiramos, as vezes os preços são salgados e muitas pessoas não tem como pagar.
Então, porque não participar de uma feira de adoção?

Os filhotes que são oferecidos nelas podem não ter pedigree ou pertencerem a uma raça específica, porém tem as mesmas necessidades que os cãezinhos e gatinhos dos pet-shops. Eles precisam de carinho. Por que não adota-los? Ser de raça não importa, pois com certeza o mais importante é ter um companheiro.

Dica
Será realizada na Universidade Metodista de São Paulo, localizada em São Bernardo do Campo uma feira de adoção de filhotes de cães e gatos.

Os dias são 16 (quinta-feira - das 15 as 21:30) e 17 (sexta-feira - das 10 as 21:30) de novembro na Praça Central do Campus Rudge Ramos.
Só será necessario aos interessados pagar uma taxa de 10 reais para que a adoção seja efetivada

Clique aqui para saber como chegar

quarta-feira, novembro 08, 2006

Cão Cidadão


A organização Cão Cidadão foi criada em 1998 por Alexandre Rossi, zootecnista e comportamentista. É um projeto que visa equilibrar e integrar as relações entre animais e seres humanos.

A base do trabalho da organização é feita a partir de um método de aprendizagem chamado Adestramento Inteligente, feito com estímulos positivos, que dispertam no animal o interesse em aprender. São promovidos cursos para adestradores e pessoas que querem treinar o próprio animal de estimação. Além disso a Cão Cidadão também faz adestramentos em domicílios, treina animais para filmes e comerciais, além de atender portadores de deficiência, como cegueira ou surdez.

No Estado de São Paulo, a organização também apóia causas sociais. Uma delas é o Projeto Cão Terapeuta, onde cães são treinados para prestar auxílio no tratamento de crianças e idosos. Afinal, o simples contato com um animal proporciona um enorme bem-estar, principalmente quando em casos de pacientes em recuperação.

São realizadas consultas individuais, para questões de comportamento do animal (seja cão, gato, pássaro, peixe etc) e escolha na compra ou adoção de um animal de estimação.

Visite: CaoCidadao.com.br

terça-feira, novembro 07, 2006

Quando as crianças saem de cena e entram os animais



Quando as crianças saem de cena e entram os animais

Criar um filho no mundo de hoje não está fácil. A violência, o custo de vida e perigos como drogas, álcool e DSTs estão cada vez mais próximos de todos. Estes são alguns pontos que fazem novos pais pensarem mais e mais sobre ter um filho.
Por outro lado, a necessidade de uma companhia totalmente dependente de você, sensível e carinhosa incentiva a vinda das crianças nas famílias.
Unindo a necessidade e as dificuldades do mundo atual, é comum famílias optarem por ter um animal de estimação ao invés de um filho.
Claro que um nunca substituirá o outro. Cão e gato são uma coisa e crianças são outra. Porém, esta inversão de papéis nas famílias se torna comum pela facilidade de criação de um animal em relação à uma criança que também suprira, até certo ponto, a carência do individuo.Além disso, ter um animal não depende de ter ou não outro parceiro, de sua opção sexual ou condição financeira , fatores que burocratizam, por exemplo a adoção de uma criança. Menos ainda depende de seu organismo ser ou não fértil.
A prática já é tão comum, que facilmente encontramos babá para cachorros, passeadores e até
escolinhas para os animais.
Há também produtos como os carrinhos iguais aos de bebê para passear com seu cão no shopping, por exemplo, onde quase sempre a entrada deles só é permitida no colo.

Se é certo ou errado substituir as crianças, é um assunto delicado, mais pelo menos, isto mostra que as famílias estão pensando melhor e planejando sua vida antes da decisão da chegada de um bebê.

segunda-feira, novembro 06, 2006

curiosidade...


Exposição "Contra a natureza?"

Uma exposição sobre o homossexualismo entre animais no Museu de História Natural de Oslo, na Noruega, está dando o que falar.


Segundo os organizadores, o comportamento homossexual é comum na maioria dos animais."A homossexualidade é um fenômeno comum e freqüente no mundo animal. Não apenas relações sexuais breves, mas parcerias duradouras, que podem continuar pela vida inteira", diz um dos textos da exibição.

Muitas pessoas têm criticado a exposição por apresentar certa propaganda ideológica. Um dos zoologistas que organizaram a exibição, Petter Bockman, admitiu que havia uma "motivação política".

É comum na Noruega que os museus públicos tratem de assuntos diferentes. Nesta exposição, deixaram claro que o objetivo era ajudar a desmistificar a homossexualidade com a ajuda de nossos amigos animais...Vai entender!